Segue-nos por Email

segunda-feira, 1 de junho de 2009

2º Encontro Nacional JAMIC


Realizou-se no fim de semana 30 e 31 de Maio, nos Missionários Combonianos da Maia o 2º Encontro Nacional dos Grupos JAMIC. Em Missão com Maria e Comboni foi o tema do Encontro. A que responderam nove grupos e sessenta jovens. Num fim de semana quente que convidava à praia, deixamos as nossas casas, as nossas famílias e fomos.



O dia de Sábado teve início com o acolhimento,
instalação, montagem das exposições de cada grupo


Continuamos com a Oração da manhã, a que se seguiu a apresentação dos grupos presentes. Oportunidade para nos conhecermos um pouco melhor e tomarmos conhecimento do trabalho de cada grupo. Jovens com ânimo, com iniciativa, com a força da juventude, que nas suas paróquias dão os bocadinhos de si, dons ao serviço dos outros, generosamente.



Muita música ia salpicando aquela manhã colorida pelo sol que nos convidava!

O almoço partilhado continuou a proporcionar a todos momentos de convívio.
De tarde partiríamos em Missão...


E a nossa Missão era...



Água para Daye - Etiópia -


Ir ao encontro das pessoas, questiona-las sobre o problema, saber da sua opinião sobre como ajudar... Depois de algumas recomendações importantes para quem parte, e de uma frase de alento entregue a cada um, integrarmos os grupos que nos foram destinados, juntamo-nos, e identificamo-nos como os companheiros de jornada


Uma jornada longa sob um sol bastante quente. Para o caminho, uma garrafa de água, panfletos da campanha, um mapa, um primeiro destino: A Câmara Municipal de Maia e a força e o ânimo do Grupo.



Abordamos várias pessoas, a maior parte acedeu ouvir-nos, questionamos, dialogamos, por todas foi referido que havia pouca informação nos meios de comunicação social, uns acham que a ajuda a esses povos tem que vir dos “grandes”, dos países poderosos, outras pelo contrário, outros acham que de facto toda a ajuda é ajuda, e que muitos pequenos gestos, podem fazer algo grande! Outras não quiseram falar connosco, porque tinham pressa, porque andavam a passear o cão, porque não eram do Porto... E nós, sorrimos, agradecemos e seguimos o nosso caminho.
As coisas complicaram-se um pouco quando a água aqueceu nas garrafas, ou quando ficaram mesmo vazias, e o sol continuava cada vez mais forte, e pensamos no que sofre o povo da Etiópia....Pois, nós encontramos a solução de imediato, compramos água ( que até foi a um preço simbólico...), saciamos a sede e prosseguimos. Chegamos à Câmara ainda com alguma força!!!
A Segunda parte da Missão esperava-nos, mais um longo percurso até ao Mosteiro de Leça em que teríamos que encontrar um símbolo sobre o projecto. E mais uma vez as garrafas ficaram vazias, tínhamos dividido a nossa água com alguns elementos de outros grupos, tornava-se difícil continuar, mas todos juntos prosseguimos, talvez a um ritmo mais lento, tornava-se penoso, sem água e com muito calor.
Mas eis que alguém apareceu e nos ofereceu água fresquinha, as garrafas voltaram a ficar cheias, a nossa sede saciada. Esse acabou por ser o símbolo do nosso grupo. Um pequeno gesto...o gesto de quem deu algo aparentemente insignificante, ainda mais que deu sem nós pedirmos, mas que para nós representou muito mais do que a própria água, representou o ânimo e a força para o resto do caminho. E foi esta água que nos fez meditar que de facto Ele está sempre atento e connosco! Por outro lado e associando ao projecto da Etiópia essa água mostrou-nos também claramente de que os pequenos gestos são muito importantes e valem por si mesmo, nós somos muito pequeninos, não queiramos fazer coisas grandes, só pequeninas...


Muita água, relva fresca, fruta e bolachas esperavam-nos. Depois de descansarmos, foi tempo de todos os grupos partilharem as suas experiências, os seus símbolos e os nomes dos seus grupos. E mais uma vez partimos, desta feita (nas limousines que nos trouxeram até ali) em direcção a casa!
A noite teve inicio com o festival, onde os grupos apresentaram


algo que tinham preparado para o efeito.




Muita animação que teve o seu ponto culminante com o concerto da novíssima banda ( que ainda não tem nome) composta pela Ana Baptista, Leonel Azevedo, Padre Leonel Claro, Carlos Baptista e Paulo Castanheira, e outros virão! Estão de parabéns, a estreia foi de facto um sucesso!!!


Depois de cantarmos, dançarmos, acalmamos e finalizamos a noite em Vigilia de Oração com Maria e Comboni. Domingo de Pentecostes, segundo dia do encontro amanheceu com um sol maravilhoso e na Oração da manhã demos Graças por tudo o que tínhamos vivido no dia anterior e por tudo o que ainda iríamos viver juntos!
Os trabalhos iniciaram-se com a passagem de um vídeo sobre a vida de Daniel Comboni e prosseguimos debatendo alguns traços que caracterizam a espiritualidade dos Grupos JAMIC. Depois de algumas pistas cada Grupo reuniu para fazer uma avaliação do trabalho feito, e propor linhas de acção para o futuro, as quais foram apresentadas por cada animador a todos os presentes.Depois do almoço, seguiu-se um tempo de preparação da Eucaristia por parte do Grupo de Jovens da Lapa, enquanto os outros tiveram oportunidade de arrumar as suas coisas.A Eucaristia, em Domingo de Pentecostes e o Envio dos grupos encerrariam estes dois dias magníficos de encontro, partilha e comunhão de ideais...

Presidiu a Eucaristia o Padre Leonel. A Tocha Missionária foi usada como simbologia de Luz e universalidade, e passagem de testemunho pelos grupos ao longo da Celebração.
Foi uma Eucaristia muito vivida, momentos muito fortes que nos tocaram... O Pai Nosso em que formamos um círculo, simbolizando o mundo, de mãos dadas em volta do Altar e do Corpo e Sangue de Cristo e aí permanecemos rezando juntos a oração a Jesus Cristo pela Paz e a Unidade na Igreja. E o Envio, cheio do Espírito Santo, encheu-nos de coragem e ânimo para continuarmos a trabalhar nas nossas paróquias.



E despedimo-nos no final da Eucaristia, cantando o Hino do Encontro - SOU FELIZ - levando connosco essa certeza de que somos felizes tanto quanto o desejarmos ser, somos felizes se aceitarmos Deus na nossa vida, ele que é o Senhor da Vida, e se com a nossa vida pudermos semear sorrisos, esperança, amor e mais vida, nos pedacinhos do tempo e do amor!Partimos, para as nossas casas, para as nossas famílias, deixando aquela família que também é um pouco nossa, que nos faz sentir na nossa própria casa e nos acolhe com todo o carinho e amor de família. E também todos os rostos, os elementos dos grupos que vão ficando em nós!
Ficou a promessa de repetirmos!!!

Também publicado em:

Sem comentários: